Na Mesa com Tereza Paim

Tereza Paim lança o livro ‘Na Mesa da Baiana’ e festeja seis anos do Casa de Tereza no dia de Cosme e Damião

Tereza Paim

Com sua verve ligada à cultura brasileira, às manifestações e gastronomia regional, a chef Tereza Paim mergulha na literatura gastronômica e lança seu primeiro livro, Na Mesa da Baiana – Receitas, histórias, temperos e espírito totalmente baiano. A noite de autógrafos acontece no Casa de Tereza, no Rio Vermelho, na quinta-feira, 27 de setembro, das 18h às 20h. Nesse mesmo dia, a chef comemora o sexto aniversário do restaurante, e o dia dos santos gêmeos, Cosme e Damião, dos quais Tereza é devota.

Com 200 páginas, o livro sai pela Editora Senac São Paulo, que acredita e reforça o engajamento da instituição em fomentar a cultura brasileira, proporcionando um resgate de pesquisa na vida e na tradição baiana por meio de sua gastronomia peculiar. Na Mesa da Baiana, é fruto de um trabalho, escrito a quatro mãos, pela chef, que apresenta, com muita história e propriedade, as receitas de seus pratos tradicionais, com a ajuda criteriosa da jornalista baiana Sonia Robatto, que tirou partido das técnicas e histórias de Tereza Paim transformando os sabores, temperos e ingredientes, em um livro de dar água na boca, com dicas, segredos e curiosidades em torno da cozinha baiana.

“Estou muito feliz e dedico esse livro para meu primeiro neto, Dudu. A publicação traz a alegria da nossa Bahia, exaltando o modo como os baianos se relacionam com a comida”, disse Tereza. “São receitas de nosso cotidiano, com uma pegada mais atual, imprimindo minha identidade como cozinheira. Comida gostosa cheia de histórias, estórias, cultura e tradições não pode faltar na mesa da baiana”, diz.

Sobre as autoras

Tereza Paim – A chef baiana já foi premiada como Embaixadora da Cozinha Baiana e reconhecida internacionalmente como grande pesquisadora dessa gastronomia. Autodidata, Tereza iniciou suas experiências com a cozinha ainda na infância e nunca mais se distanciou das panelas. Faz uso de técnicas gastronômicas do mundo e apresenta a releitura de pratos tradicionais, sempre valorizando suas raízes. O aspecto acessível e puro de sua cozinha se deve à sua trajetória de vida, que se destaca pela imersão com a terra, com pessoas simples e com as riquezas do plantar, cultivar, colher e fazer. Salvador, Recôncavo e o sertão baiano são as casas de Tereza, lugares que têm seus sabores, costumes e culturas inclusos em sua cozinha. Seu trabalho tornou-se ferramenta de resgate e inclusão social dos produtores regionais e de divulgação dos produtos e da história da Bahia.

Sonia Robatto – Baiana, a jornalista e escritora Sonia Robatto foi responsável pela criação de grandes projetos editoriais para empresas como as editoras Abril, Bloch, Três e Abril Cultural, entre outras. É apaixonada por sua terra e por seu povo, por isso seu trabalho está sempre direcionado para a pesquisa e o registro dos hábitos culturais do brasileiro.

Nos anos 1960, Sonia voltou-se para as artes cênicas e fundou a primeira Companhia de Teatro Profissional da Bahia e o Teatro Vila Velha. Ao longo de sua carreira, foi autora de quatrocentas histórias infantis, publicadas em livros, revistas, fascículos, e também de peças teatrais. Ainda para este público, criou e dirigiu a revista Recreio (Editora Abril). Em São Paulo, já nos anos 1980, fundou a Editora e Estúdio Robatto, com equipes especializadas em redação, artes gráficas e cozinha experimental, criando novas receitas para fábricas de alimentos, bem como filmes e fotos para televisão, livros e revistas.

Com a colaboração direta de seu marido, o jornalista Caloca Fernandes, desenvolveu projetos de grande relevância sobre a gastronomia brasileira, entre eles Viagem gastronômica através do Brasil e Culinária paulista nos restaurantes dos hotéis Senac São Paulo, realizados em parceria com a Editora Senac São Paulo; bem como O gosto brasileiro: as mais famosas receitas das nossas avós, com 12 volumes; e Um, dois, feijão com arroz: os segredos do arroz/feijão.

Sinopse – A Bahia não é uma só, são várias – a Bahia do Recôncavo, a do sertão e tantas outras – que, entre suas regiões e facetas, exibem em comum o papel essencial que a culinária exerce e que vai além da mera alimentação: por meio dela, expressam-se a alegria de viver e de compartilhar do baiano, a comunhão com seus santos, as múltiplas culturas e as raízes de seu povo, entre muitos outros aspectos.Neste livro, os pratos tradicionais são ensinados e celebrados com o toque especial da chef Tereza Paim, que revive e apresenta, por meio de sua cozinha, a Bahia como ela é: alegre, simples, mística e abençoada. Suas receitas genuínas e acessíveis, assim como os textos da jornalista Sonia Robatto, colocam à mesa a história dessa terra, ensinando não só o melhor jeito de preparar as iguarias, mas também as dicas, os segredos e as curiosidades que compõem a cozinha baiana e que a tornam tão especial.Este lançamento do Senac São Paulo reforça o compromisso da instituição com a cultura brasileira, proporcionando um mergulho na vida e na tradição baiana por meio de sua gastronomia.

Ficha:
Na Mesa da Baiana – Receitas, histórias, temperos e espírito totalmente baiano
Tereza Paim e Sonia Robatto
Editora: SENAC – SP
(11) 2187-4450
http://www.editorasenacsp.com.br
ISBN: 9788539624492
ISBN13: 9788539624492
Edição: 1ª Edição – 2018
Número de Páginas: 200
Acabamento: CAPA DURA
Formato: 21.00 x 27.00 cm.
Comprar: R$ 95 / Martins Fontes
Comprar: R$ 95 / Saraiva (Indisponível)

Serviço
O que: Lançamento do livro Na Mesa da Baiana – Receitas, histórias, temperos e espírito totalmente baiano
Quando: 27 de setembro, das 18h às 20h
Onde: Restaurante Casa de Tereza
(71) 3329-3016
Rua Odilon Santos, 45, Rio Vermelho, Salvador, BA
http://www.terezapaim.com.br/



 

Anúncios

Deleuze, imagem-movimento e imagem-tempo

Cinema 1 – A filosofia francesa sempre deu contribuições notáveis para a reflexão estética. Se Merleau-Ponty modificou nossa visão da pintura de Cézanne,

Deleuze

e Sartre nosso entendimento da literatura de Flaubert, Gilles Deleuze realiza nos dois volumes que dedicou ao cinema o mais impressionante esforço filosófico para a compreensão da arte por excelência do século XX. Em Cinema 1 — A imagem-movimento, Deleuze cria novos conceitos a partir das ideias pioneiras de Bergson e da semiótica de Pierce. A argumentação, porém, nunca perde de vista o específico das escolas e dos estilos cinematográficos e, sobretudo, os filmes eles próprios. O arco de diretores é amplo e reúne gigantes como Chaplin, Eisenstein, Ford, Bergman e Hitchcock, passando por expoentes da vanguarda como Viértov e Michael Snow. Continuar lendo

Como fazer uma cidade boa

O autor de Cidades Para Pessoas abre sua caixa de ferramentas e oferece um guia completo de como pensar e estudar as cidades contemporâneas

Jan Gehl

Após décadas estudando e construindo uma metodologia inteiramente voltada à sustentabilidade e ao bem-estar nas cidades contemporâneas, Jan Gehl, junto com Birgitte Svarre, revela e debate, neste livro, as influências, os estudos, os procedimentos que o levaram a se tornar um dos mais respeitados e procurados urbanistas da atualidade.

Consultores e autores de muitas das mais relevantes intervenções em ambiente urbano – em metrópoles e cidades de todas as regiões do planeta –, Gehl e Svarre mostram quais as chaves para transformar cidades em cidades boas para as pessoas.

Ao perceber que o ambiente da cidade influenciava o estado de ânimo de seus moradores e de todas as pessoas que por ela transitavam, Jan Gehl passou a estudar e desenvolver técnicas para lidar com o impacto psicológico das várias situações que encontrava nas cidades que visitava. Simultaneamente, pesquisava as origens e as críticas dos modelos urbanísticos que resultavam em cidades caóticas e estressantes, e daquelas que eram muito mais amistosas.
>>>Leia+Mais

Comunismo de Bini Adamczak

Comunismo para crianças não se destina exatamente às crianças

Bini Adamczak

A linguagem que simula e parodia as histórias infantis está a serviço de uma caracterização crítica e muitas vezes ácida do funcionamento da economia capitalista contemporânea. Sua publicação nos Estados Unidos, em 2017, provocou polêmica, pois houve quem atacasse a autora, Bini Adamczak, de promover a doutrinação de jovens.

Ao expor como a organização do trabalho e a exploração dos trabalhadores alimentam o capital e o sofrimento causado pelo sistema, Adamczak constrói, no entanto, uma breve história do capitalismo e de sua contraparte utópica, o comunismo, por meio de situações e exemplos imaginários, mas muito familiares aos que vivem no mundo globalizado.
>>>Leia+Mais

Dominação e resistência de Luis Felipe Miguel

Em Dominação e resistência, Luis Felipe Miguel apresenta uma ampla discussão sobre o sentido da democracia e sua relação com os padrões de dominação presentes na sociedade

Luis Felipe Miguel

Professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasilia (UnB), Miguel defende que a ordem democrática liberal não pode ser entendida como a efetiva realização dos valores que promete, pois a igualdade entre os cidadãos, a possibilidade de influenciar as decisões coletivas e a capacidade de desfrutar de direitos são sensíveis às múltiplas assimetrias que vigoram na sociedade. Porém, tampouco pode ser lida segundo a crítica convencional às “liberdades formais” e à “democracia burguesa”, que a apresenta como mera fachada desprovida de qualquer sentido real.

A conclusão é que a democracia não é um ponto de chegada, e sim um momento de um conflito que se manifesta como sendo entre aqueles que desejam domá-la, tornando-a compatível com uma reprodução incontestada das assimetrias sociais, e quem, ao contrário, pretende usá-la para aprofundar contradições e avançar no combate às desigualdades. “O conflito na democracia é um conflito também sobre o sentido da democracia, isto é, sobre quanto ela pode se realizar no mundo real como projeto emancipatório e quanto as instituições vigentes contribuem para promovê-la ou para refreá-la”.
>>>Leia+Mais

Territórios em conflito

Territórios em conflito, de Raquel Rolnik, é um livro sobre o passado, o presente e o futuro de São Paulo, cidade-mundo de 20 milhões de habitantes

Um dos principais nomes do urbanismo brasileiro, Raquel Rolnik apresenta, em linguagem simples e direta, os conflitos, temas e opções políticas que definiram a história da metrópole, desde sua fundação até hoje.

Apesar de ser um poderoso polo econômico, financeiro e cultural, São Paulo é marcada pela pobreza, pela desigualdade e pela incerteza quanto a seu futuro. Ao refletir sobre a trajetória da cidade, a autora aponta caminhos para que se possa construir, aqui e agora, um lugar melhor e mais justo.
>>>Leia+Mais